Menu fechado

CAIO FÁBIO • Série HEREGES

O ex-presbiteriano, ex-calvinista, ex-adepto do Cristianismo, que, em sua época de sanidade, escreveu bons livros doutrinários, agora se diz inimigo da religião, se coloca em pé contra a totalidade dos que se chamam evangélicos e, não ingenuamente, mas como estratégia, não se intitula mais teólogo, apesar de fazer apenas isso da vida, mudou o rumo de seu discurso completamente após ter caído em adultério anos atrás, um assunto que gostava de abordar, mas que talvez fosse seu maior ponto fraco, não se sabe, o que tem-se certeza é que foi perseguido por amigos de ministério, exposto ao ridículo, acusado sem amor pelos seus irmãos na fé, e teve uma ferida imensa gerada em si, que o colocou na contramão doutrinária dos mesmos.

Ao que parece, seus seguidores não veem problema algum em ouvir em metade dos vídeos apenas ataques pessoais de Caio a outros líderes religiosos e teólogos, sem se importar em proferir mentirinhas pra rebaixar o “oponente”.

Sua confusão mental ficou evidente quando atacou Julio Severo em vídeo anos atrás, dizendo que seus “amigos de seminário” lhe contaram sobre supostos casos homossexuais que tive quando estava estudando teologia. Mas Julio Severo nunca sequer estudou em seminário, o resto da mentira fica óbvia.

O “Caminho da Graça” tentou começar bem, e seria bom, se não fosse o orgulho ferido de Caio Fábio. O caminho da graça seria bom, se não tivesse colocado toda sua razão de ser no que Caio Fábio diz. O caminho da graça seria bom, se não tomasse a atitude de se acharem os únicos cristãos verdadeiros, a solução para o Reino de Deus na terra.

Ainda antes de entrar nas heresias principais, é bom lembrar de quem estamos falando, leia o artigo (é curtinho):

http://www.pulpitocristao.com/2011/11/caio-fabio-condenado-a-4-anos-de-prisao/

=================================
Uma pequena lista de heresias do Caião:

• Teologia Liberal; • Neo-panteísmo; • Demonização da Criação; • Apologia ao Panteísmo e Animismo; • Universalismo não assumido; • Apologia a relacionamentos Homoafetivos e aborto; • Relativismo bíblico;

=================================
•• 2) Caio Fabio afirma que a Bíblia não é a palavra de Deus!
Não me surpreende tais afirmações de Caio. Uma pessoa que defende o aborto, o homossexualismo, abre as portas para o adultério e, por fim, distorce os textos bíblicos para pregar uma filosofia liberal antibíblica, esperar que ele defenda a Bíblia como a inerrante palavra de Deus? Seria no mínimo incoerência acreditar nisso!

Espantosamente Caio Fabio alega que ninguém, absolutamente, leu a Bíblia tendo Cristo como chave hermenêutica. Logo, deduzimos então que somos todos analfabetos teológicos! Afinal, se há dois mil anos ninguém teve um conhecimento correto de Cristo através da Bíblia, qual Jesus seguimos então? Qual evangelho foi pregado à nós? Agostinho, Lutero, Calvino, os Puritanos, Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, dentre tantos outros grandes teólogos da história estão equivocados? Somente Caio Fabio possui o conhecimento correto de Jesus nas escrituras?

Na verdade, Caio Fabio deu um tiro no próprio pé e prova que nunca leu as Escrituras tendo Cristo como “chave hermenêutica”! Pois, ao afirmar que a Bíblia não é inerrante, vai contra o que o próprio Cristo defende!

Jesus referiu-se ao Antigo Testamento como sendo a Palavra de Deus e afirmou que a mesma não pode falhar: “Se ele chamou deuses àqueles a quem foi dirigida a palavra de Deus, e a Escritura não pode falhar,” ( Jo 10:35) e disse que “até que o céu e a terra passem, nem um i ou til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.” (Mt 5:18-19), e ainda: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.” (João 5:39). Cristo falou aos fariseus e escribas sobre seus dias que eles vinham “invalidando a palavra de Deus pela sua própria tradição” (Mc 7:13). Jesus chamou a atenção para a Palavra de Deus escrita quando repentinamente afirmou “Está escrito” (Mt 4:4,7-10). Esta frase aparece mais de noventa vezes no Novo Testamento, sendo assim uma forte indicação da autoridade divina da Palavra de Deus escrita.

Se Cristo é a “chave hermenêutica” para a interpretação Bíblica e, Ele próprio afirma a infalibilidade das Escrituras, logo, a Bíblia é inerrante!

Enfatizando a inerrância da Palavra de Deus, Paulo acrescentou: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2 Tm 3:16-17). Embora tenham sido homens que escreveram as mensagens, Pedro fala que “nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca, jamais, qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (2 Pe 1:20-21) e afirma que “a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos foi evangelizada” (1Pe 1:25). O autor de Hebreus referiu-se às Escrituras como “a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4:12).

OBS.: Se ficar com dúvida sobre a inerrância da Bíblia, pode assistir o vídeo abaixo ou perguntar via mensagem privada:

=================================
•• 3) Num discurso em 12 de agosto de 2004, no simpósio “Igreja e os Desafios Atuais” na Câmara dos Deputados, Caio desferiu a seguinte frase:

“Se não tenho uma visão que sacraliza o cosmos e toda a criação, eu preciso no mínimo fazer uma segunda reflexão.”

A declaração, registrada com a própria voz dele, se encontra documentada neste vídeo: http://youtu.be/EcOC5nVFVqE

Neo-panteísmo é uma variação renovada ou reconcebida do panteísmo, a crença de que o universo é sagrado e tem de ser reverenciado.

=================================
•• 4) Entretanto, pouco antes de sacralizar o meio-ambiente, Caio demonizou a glória da criação de Deus: o ser humano criado conforme a imagem e semelhança de Deus. Ele disse:
Enxergo a ética de preservação da vida num mundo no qual a própria presença humana na Terra significa a maior ameaça de devastação.

“O extraordinário e ao mesmo tempo irônico e contraditório é que essa presença humana na Terra, inteligente e autoconsciente, é a maior, e talvez seja a única, ameaça à própria Terra e que as demais manifestações de vida na Terra conheçam.
Nunca antes nada foi tão ameaçador por mais catastrófico que tenha sido do que a presença humana na Terra.”

=================================
•• 5) A exaltação da Índia panteísta e animista!

Depois da demonização do ser humano, Caio Fábio passa à sacralização e reverência ao meio-ambiente, prosseguindo em suas ideias neo-panteístas. O neo-panteísmo é uma crença religiosa amplamente seguida na Índia, e o próprio Caio reconhece isso, dizendo:

“Pode-se dizer que a Índia é um país tecnologicamente atrasado, em que há elevadíssimo índice de pobreza, miséria, superpopulação e outras coisas mais. Mas ela continua sendo exemplo de sociedade que olha para o cosmos como algo sagrado, numa visão completamente diferente da nossa.
Por isso, estranhamente, tenho que lhes dizer que o animismo presta serviços à bioética, de natureza muito mais prática, na hora em que, ignorantemente ou não, vê significado espiritual na existência de todos os entes criados. Nós não.”

Continuando sua exaltação da Índia panteísta como modelo, Caio rejeita os 3 primeiros capítulos do Gênesis, os quais tratam da criação, como não sendo fontes de informação “científica”. Tal rejeição é padrão entre liberais. Ele diz:

“Chegamos a um ponto em que se estabeleceram para nós ironias extraordinárias. A primeira: o Ocidente cristão, especialmente a sua versão protestante, tornou-se a parte da humanidade que mais ofende a criação. O homem existe num universo sem nenhuma sacralidade. A segunda: as sociedades animistas são extremamente menos ofensivas à criação do que nós.

Senão, vejamos: os 3 primeiros capítulos do Livro de Gênesis: ou o indivíduo parte para aquela leitura completamente literal e fundamentalista, que quer transformar a Bíblia num manual científico de como o mundo foi formado, algo absolutamente tolo.
Chama toda a consciência do Evangelho para uma integração dela com a sacralidade da criação e com a reverência pela criação.”

=================================
Refutação apologética ao radical ambientalismo de Caio Fábio:

Em sua defesa do neo-panteísmo, Caio chama de tolice levar a sério os 3 primeiros capítulos de Gênesis. Em contraste, em seu comentário sobre Gênesis 1:3-5, Barnes deixa claro que o primeiro capítulo de Gênesis é fundamental para nosso entendimento sobre o panteísmo:

A percepção de coisas fora dEle é um importante fato na relação entre o Criador e a criatura. Essa percepção indica que a criatura é diferente do Ser criador, e fora dEle. Portanto, contradiz o panteísmo em todas as suas formas. (Barnes’ Notes, Electronic Database. Biblesoft 1997)

Em entrevista ao Blog Julio Severo sobre as declarações de Caio, Jamierson Oliveira, editor da revista Povos (e ex-editor da revista Defesa da Fé), disse:

Devo discordar do referido autor do texto pelo simples fato que a própria natureza não é tão boa quanto parece. Note que fora da Terra, onde o homem nunca interferiu diretamente, não há lugar para a vida, e lá também é natureza ou parte do “cosmo sagrado”, nas palavras do referido autor. Pergunto:

O que há de sagrado nisso, onde a vida não pode brotar? Nesse sentido somos até levados a pensar na causa maior disso tudo, a Queda (Gn 3), que segundo o relato bíblico maculou a criação original de Deus e afetou o cosmo como um todo, inclusive o mundo espiritual. E tudo aguarda por uma redenção! (Gn 317,18; Rm 8.18-23; Ap 21, 22).

Mesmo antes da degradação ambiental provocada pela presença humana, a qual também não queremos, o homem e os animais já sofriam com espinhos, calor ou frio excessivos, improdutividade do solo, vírus, bactérias, etc. Se é verdadeiro dizer que o homem é causador de muitos desses males, é verdadeiro também afirmar que muita coisa acontece sem a ação do homem. Isso é cientificamente provável. Inclusive o homem controlou e melhorou muita coisa que na natureza ia mal, por meio dos medicamentos, fertilizantes, manejo da terra e tecnologias. Enfim, para o bem do homem posto neste ambiente.

Ainda é importante dizer que a ignorância do Evangelho dos povos animistas e pagãos em nada contribui para o equilíbrio natural. Qual o bem natural que o indiano hindu faz para o grande rio Ganges, senão polui-lo com cadáveres de animais e pessoas? Que exemplo de sociedade é este, com adoração de ratos (deusa Karni-Mata), mantendo um templo em Deshnoke com 300 mil ratos nojentos? Acorrentando crianças a macacos (deus Hanuman) para serem abençoadas por este?

A nação de Israel, com desenvolvimento social exemplar, frente a outras nações vizinhas, sempre soube lidar equilibradamente com o meio-ambiente. Inclusive algumas das suas leis da colheita e do uso da terra ainda hoje seriam boas para a preservação da natureza. Ou seja, nem o judaísmo, nem o cristianismo podem ser responsabilizados pelo mau uso da natureza. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

O mundo espiritual (Hb 1.4; Fp 3.20), o cosmo, a Terra, tudo foi criado em favor do homem, e não o contrário. A ideia de homens venerando a natureza é extra-bíblica e anti-bíblica. Naturalmente que devemos preservar, para o nosso próprio bem. Somos mordomos de toda criação!

Um cristão normal se espantaria com declarações neo-panteístas vindas da boca de um homem que se diz cristão. Mas os esquerdistas do MEP nada estranharam. Pelo contrário, eles sempre foram grandes apoiadores de Caio e suas esquisitices ideológicas. O MEP foi fundado pelo bispo vermelho Robinson Cavalcanti.

Se eu tivesse declarado que o “universo é sagrado”, eu teria sido denunciado como defensor do neo-panteísmo. Eu teria sido tachado de “herético”. Então, como Caio escapou ileso com suas declarações anti-bíblicas na presença de vários reverendos? Seus vários anos de teologia foram insuficientes para ajudá-los a identificar o panteísmo e outras heresias?

Biblicamente, dá para se considerar o universo sagrado? O que significa “sagrado”? O Dicionário Michaelis define “sagrado” como: “Digno de veneração ou respeito religioso pela associação com Deus ou com as coisas divinas; santo, santificado”.
O Dicionário Aurélio define como: “Inviolável, puríssimo, santo, sacrossanto”.

Por seus atributos exclusivos, Deus merece esses adjetivos. Mas o universo, a natureza, o cosmos, o meio-ambiente e a criação também são dignos desses adjetivos?

=================================
A HIPOCRISIA DOS SEGUIDORES
=================================
Basta que um neopentecostal, numa atitude que nem eu entendo, acenda uma vela na igreja, que os apologetas gossip gritam “heresia”. Por mais estranho que seja o ato do neopentecostal, a Bíblia não diz que acender uma vela na igreja é heresia.

A Bíblia também não diz que o universo é sagrado. O que a Bíblia diz muito claramente é que o universo foi criado por Deus:

“Assim diz o SENHOR, o teu redentor, aquele que te formou desde o ventre materno: ‘Eu, o SENHOR, é que tudo fiz e sozinho estendi os céus e firmei a terra”. (Isaías 44:24)

O versículo seguinte mostra o que Deus faz com os que pensam diferente:

“Sou Eu que… envergonho o conhecimento dos sábios e o transformo em loucura”. (Isaías 44:25)

Será que estamos entendidos?

=================================
•• 6) Caio Fábio detona o Apóstolo Paulo!

Eu acho até graça, se ficasse calado ganharia mais. Quem é Caio pra falar de Paulo?? Caio um universalista herege perturbado. Quem é Caio Fábio pra falar do Apóstolo Paulo? Podemos ver as Epístola aos Romanos, as Epístolas aos Coríntios e as poderosas epístolas da prisão, como Efésios, Filipenses e Colossenses. Ficamos impressionados com o majestoso ímpeto, profundi­dade e aconsistência com que Paulo expõe o propósito de Deus de eter­nidade a eternidade. Gl 1.11 e 12 Faço-vos, porém, saber, irmãos (uma fórmula favorita sua de introduzir uma declaração importante), que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem; porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo. Eis aí a razão por que o evangelho de Paulo era o padrão pelo qual os outros evangelhos deviam ser medidos. O seu evangelho era (literalmente, versículo 11) “não… segundo o homem”; não era “invenção hu­mana” “Eu o preguei”, Paulo poderia dizer, “mas não o inventei. Também não o recebi de um homem, como se fosse uma tradição já aceita, passada de uma geração a outra. Também não me foi ensinado, como se o precisasse aprender de mestres humanos.” Pelo contrário, ele veio “mediante revelação de Jesus Cristo”. Isto provavelmente significa que ele lhe foi revelado por Jesus Cristo. Alternativamente, o genitivo poderia ser objetivo, caso em que Cristo é a subs­tância da revelação, como no versículo 16, e não o seu autor. Seja qual for o caso, O sentido geral é explícito. Assim como no versículo 1 ele afirmou ser divina a origem de sua comissão apostólica, agora ele afir­ma ser de origem divina o seu evangelho apostólico. Nem a sua missão nem a sua mensagem derivaram de homem algum; ambas lhe vieram diretamente de Deus e de Jesus Cristo.

=================================
•• 7) RELATIVISMO E O HOMOSSEXUALISMO

O pastor Caio Fábio afirmou a pouco (veja o vídeo abaixo) que não vê nenhum problema no relacionamento sexual entre duas pessoas que se gostam.

Na opinião de Caio desde que não haja defraudação na relação, não há problema de que os amantes se envolvam sexualmente.

Caio também disse que ele, à luz do evangelho, não pode se contrapor àqueles que agem desta forma, mesmo porque, não dá pra se convencionar o que seja casamento.

Pois bem, diante do exposto gostaria de enumerar 04 motivos porque considero que o ensino de Caio Fábio esteja equivocado:

1- Em 1 Corintios 7:8,9, Paulo orienta a igreja dizendo que é melhor com que o solteiro se case do que viver abrasado.

2- A Bíblia não permite relações sexuais fora do matrimônio (1 Coríntios 6.18-7.2) e condena imoralidade como um pecado que afronta a santidade do Senhor.

3- Deus instituiu o casamento para a nossa felicidade, plenitude e segurança, e que este deve ser honrado por todos. Na Bíblia existem inúmeros versículos que declaram o sexo antes do casamento como sendo um pecado (Atos 15:20, 1 Coríntios 5:1; 6:13, 18; 10:8, 2 Coríntios 12:21, Gálatas 5:19, Efésios 5:3; Colossenses 3:5, 1 Tessalonicenses 4:3; Judas 7).

4- As Escrituras ensinam que o sexo entre o marido e sua esposa é a única forma de relações sexuais que Deus aprova (Hebreus 13:4). O texto bíblico ensina que o leito conjugal, deve ser conservado puro e sem mácula e que o Senhor julgará os imorais e os adúlteros.”

Quanto a relativização do casamento comum aos dias de hoje reproduzo parte de um artigo publicado pelo meu amigo Augustus Nicodemus que fez alguns comentários extremamente interessantes sobre o casamento os quais concordo plenamente e compartilho abaixo:

1) Relações sexuais diante de Deus não é bem o conceito de casamento que encontramos na Bíblia. O quadro que temos é muito mais complexo. Envolve responsabilidade pública e legal, pois tinha a ver com a herança e a proteção da esposa e os direitos dos filhos. Quando não há um compromisso oficial, mas apenas um viver juntos, como se pode falar em adultério, divórcio, herança de filhos, propriedade de terras, sustento para a desamparada, etc.?

2) Israel era uma teocracia, isto é, Estado e Igreja estavam juntos. As festas de casamento representavam a legalização “civil” da união. Hoje, nas modernas democracias, o estado é laico, e não se precisa da cerimônia religiosa, e sim a legalização pelo poder público. Igreja não casa, pastor não casa, padre não casa. Quem casa é o juiz, representando o Estado. A Igreja faz um culto e invoca a bênção de Deus sobre o casal. No chamado “casamento religioso com efeito civil,” o pastor está agindo como se fosse o juiz, tudo acertado antes no cartório, e ratificado depois, senão perde a validade.

3) O “casamento” de Adão e Eva não pode ser tomado como padrão para a humanidade. Eles nem tinha umbigo! Não havia ainda estado, igreja, sociedade, pessoas. O que aprendemos com o episódio é que a vontade de Deus que a humanidade se organize em famílias, compostas de um homem e de uma mulher, e que vivam unidos para sempre, criem seus filhos e dominem a terra. A legalização e a oficialização disto é uma decorrência natural e lógica quando o pecado entrou no mundo e apareceram outras mulheres e outros homens, a luta pelas terras e propriedades, o egoísmo do homem que desampara a mulher depois de abusar dela, e assim por diante. Por este motivo encontramos leis sobre divórcio, leis sobre herança de filhos, leis sobre os filhos de uma mulher que não é a esposa legítima, etc. etc.

4) É evidente que as festas de casamento, com véu e grinalda, etc. são coisas absolutamente culturais e que mudam de acordo com os tempos e épocas. O que vale é que aquele momento em que os dois, diante do representante do governo (pode ser o pastor fazendo o casamento com efeito civil), prometem fidelidade, suporte, apoio e amor mútuos até que a morte os separe e assinam o contrato, que haverá de garantir os direitos deles e dos filhos, para o bem da sociedade e da família. Era isto, guardadas as devidas proporções, que acontecia nos tempos bíblicos em Israel, com os patriarcas fazendo as vezes, e depois os sacerdotes, juízes, anciãos, etc.

5) União civil não é casamento, mas um mecanismo para garantir os direitos dos que vivem juntos a um tempo, como se casados fossem.

Concluo essa breve reflexão lembrando de Paulo que ao escrever a Timóteo disse:

“… Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento…” (1Tim 4.1-3).

=================================
•• 8) UNIVERSALISMO E TEOLOGIA LIBERAL DE CAIO FÁBIO

http://renatovargens.blogspot.com.br/2012/05/o-universalismo-e-praga-da-teologia.html

=================================
•• 9) “O maior inimigo de Jesus é o Cristianismo”. Será???

http://tempora-mores.blogspot.com.br/2012/02/o-maior-inimigo-de-jesus-e-o.html

=================================
Entenda uma coisa de vez: Caio Fábio, que foi expulso da igreja no qual ele pertencia, o adúltero, fundou um ministério pra ele mesmo, pois não era aceito em outros, depois saiu falando que todos os outros pastores não prestavam e não acredita na inerrância da Bíblia é um falso mestre. Um homem perspicaz, diferente dos falsos mestres convencionais, que são burros e sem instrução, mas a Bíblia mais nos alerta é contra essa categoria, fique de olho, não sucumba à tentação de dar as mãos a alguém, só por este lugar contra teologia da prosperidade e outras doutrinas falsas.

Que Deus nos livre deste relativismo que tanto mal tem feito a igreja brasileira.


  • R$ 20,00
    Ou em até 1x de R$ 20,00
    Sem Juros - PagSeguro
  • R$ 26,00
    Ou em até 1x de R$ 26,00
    Sem Juros - PagSeguro
  • R$ 26,00
    Ou em até 1x de R$ 26,00
    Sem Juros - PagSeguro

Artigos relacionados